Aniversário dos 450 anos da Batalha de Lepanto evocado pela Confradía Europea de la Vela

A conferência online, reuniu quase 200 participantes e permitiu conhecer factos inéditos da célebre batalha naval do século XVI.

Foram quase 200 os participantes que, no passado dia 18 de fevereiro, se ligaram online para escutar o Capitán de Navio Marcelino González, numa conferência organizada pelo Comité de Foros da Confradía Europea de la Vela.

O conferêncista, Marcelino González, historiador com vultosa obra publicada, pintor e aguarelista, vice-presidente da Real Liga Naval, membro da Real Academia del Mar, e da Asamblea Amistosa y Literaria. Capitán de Navio na situação de reforma, teve uma brilhante carreira na Armada Española, tendo sido entre 2002 e 2008, sub-diretor do Museu Naval de Madrid, do qual é hoje consultor e colaborador. É igualmente autor de numerosos artigos em revistas, tendo proferido conferências em toda a Espanha e no estrangeiro e também é membro de várias associações ligadas à história e à navegação.

Capitán de Navio Marcelino González, ilustre conferencista. (imagem Real Liga Naval)

 

Ao longo da sua interessante apresentação, Marcelino González deu informações muito importantes e às vezes desconhecidas sobre o conflito. No início citou as características e antecedentes que motivaram este combate naval que ocorreu, entre outras razões, para impedir o desejo expansionista do Império Otomano, atacando a costa mediterrânea da cristandade e anexando territórios para aumentar o seu poder.

Em seguida, explicou as várias fases da batalha, a posição estratégica dos navios e o resultado que todos conhecemos.

 

Figuras e dados

Esta batalha teve cerca de 1.815 canhões, um total de 84.420 homens, dos quais cerca de 28.000 soldados, 12.920 marinheiros e 43.500 remadores, bem como navios de todos os tipos. Galés e galeaças (navios a remos com quarenta e quatro canhões), entre outros tipos de navios.

O custo da batalha foi suportado em 50% pela Espanha e o restante por outros países, com a curiosidade de D. Miguel de Cervantes ter sido ferido no ombro esquerdo e perdido a mobilidade da mão esquerda, pelo que foi alcunhado “o maneta de Lepanto”.

 

O protocolo entre as duas Confrarias

A Confraria Marítima de Portugal e a Confradía Europea de la Vela, partilham uma cultura marítima comum, que no tradicional espírito de cooperação franco, aberto e solidário das gentes do Mar, está espelhado num protocolo de cooperação que compreende a troca mútua de informações relativas às respetivas atividades e, entre outras, a atribuição  aos membros da outra instituição dos direitos inerentes aos seus próprios membros, durante períodos de visita, ou curtas estadias, exceto, claro está, a participação ativa nas assembleias gerais.

Pode consultar este e outro dos nossos protocolos na Área Restrita deste website (exclusivo a Membros da Confraria Marítima – Liga Naval Portuguesa)

 

(colaboração da direção da CMP-LNP)

 


Leia também:

Portugal e o Mar
Barra do Porto da Ilha de Porto Santo (imagem João Gonçalves)

Portugal e o Mar Metade da fronteira portuguesa é marítima, num contexto em que o Mar ocupa cerca de 71% LER ARTIGO

Cadetes do Mar de Portugal

Cadetes do Mar de Portugal Todos estamos a viver em Portugal um momento decisivo da nossa História de quase 900 LER ARTIGO

Rogério Silva Duarte Geral d’Oliveira (1921-2021)
CAlm ECN Rogério D'Oliveira (óleo s tela de Mário Alvarenga Rua)

Rogério Silva Duarte Geral d’Oliveira (1921-2021) É com profundo pesar que se dá a conhecer o falecimento ocorrido em 7 LER ARTIGO

O Projeto de Extensão da Plataforma Continental de Portugal
NRP GAGO COUTINHO

O Projeto de Extensão da Plataforma Continental de Portugal Para quem segue com alguma regularidade as notícias e desenvolvimentos ligados LER ARTIGO

Recordando o 54º Encontro (16 de novembro de 2018)
54 encontro

Recordando o 54º Encontro (16 de novembro de 2018) A Confraria Marítima de Portugal realizou o seu 54º Encontro no LER ARTIGO

Henrique Portela Guedes é o novo Adido de Defesa em Berlim
Cmdt Portela Guedes, devidamente uniformizado com os alamares indicativos das funções de adido militar. (imagem EMGFA)

Henrique Portela Guedes é o novo Adido de Defesa em Berlim O nosso confrade Henrique Peyroteo Portela Guedes, está desde LER ARTIGO