Infante, o Navegador do futuro

30/04/2022

O Infante D. Henrique é uma das maiores figuras de Portugal, da nossa História e da nossa natureza e identidade. Não sendo o fundador – título que pertence ao nosso grande rei D. Afonso Henriques, o Infante é o grande abridor da nossa alma e o definidor da nossa identidade.

Foi o quarto filho de D. João I e D. Filipa de Lencastre, outros grandes reis de Portugal, emergentes vitoriosos da crise do interregno e pais de grandes figuras. Importa recordar, brevemente, esses sete irmãos da justamente chamada Ínclita Geração: D. Afonso (que morreu novo, com 10 anos), D. Duarte (que sucederia ao pai, como rei), D. Pedro (Duque de Coimbra, o das Sete Partidas do Mundo, muito viajado e conhecedor do mundo da época, com grande cultura e ilustração), D. Henrique (o nosso Infante, Duque de Viseu), D. Isabel (que seria Duquesa da Borgonha), D. João (Condestável do Reino, após D. Nuno Álvares Pereira) e D. Fernando (o Infante Santo, que morreu cativo em Fez).

O Infante D. Henrique é com justiça, ali em Belém das caravelas, a figura que encabeça os 33 notáveis que estão representados no monumental Padrão dos Descobrimentos, em cima do Tejo, na capital do país. O que ele iniciou, orientou e desenvolveu, não tem par na História de Portugal, marcou quase seis séculos da nossa existência como país (se os contarmos desde Ceuta, em 1415) e deixou uma marca que definiu e moldou para o futuro a nossa identidade como cultura e como alma, como povo e como nação.

Os caminhos que ele abriu – e os laços que permitiu estabelecerem-se – nunca mais se apagarão. Hoje, olhando para trás e olhando também para dentro de nós, não conseguimos sequer imaginar como poderíamos ser diferentes. Ficámos marcados, fomos definidos.

Há quem diga muita asneira a propósito dos Descobrimentos, contestando a própria palavra e seu conceito. Dizem:

“Ninguém nos descobriu, nós já cá estávamos.”

Claro que estavam; se não estivessem, não poderiam ter sido descobertos. Foram descobertos, porque existiam. Nós é que não sabíamos que existiam, assim como eles também não sabiam que existíamos. Os Descobrimentos são recíprocos: quem descobrimos, também nos descobriu no mesmo momento. Os Descobrimentos foram esse encontro e conhecimento.

Mas os Descobrimentos nem foram tanto de terras, povos e culturas. Foram sobretudo a descoberta de rotas que nos levaram

“por mares nunca dantes navegados”,

revelando, pela primeira vez, todo o mundo a todo o mundo. Rotas que nunca mais deixaram de ser percorridas e, sucessivamente, desdobradas noutras novas rotas. É um feito extraordinário – não só da História de Portugal, mas da História da Humanidade. Um feito ainda maior, se levarmos em conta as frágeis embarcações em que navegávamos, mar adentro, pelos oceanos e os instrumentos rudimentares, mas pioneiros, de orientação e apoio à navegação.

Falta fazer o Museu dos Descobrimentos, que deve morar em Portugal, por ser tão destacado o contributo português para o mundo.

O mar foi o caminho: abriu-nos a universalidade, ampliou a nossa mestiçagem, fez global a nossa língua, granjeou-nos notoriedade mundial. Éramos apenas um milhão e espalhámo-nos por toda a parte não só por conquista (como era costume do tempo), mas sobretudo por relações comerciais e culturais e por interacção diplomática fora do mundo que era até então conhecido. Uma proeza fantástica.

Tudo isto começou com a visão, a ousadia e a competência do Infante D. Henrique. Foi isso que o Círculo do Mar da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, coordenado pelo Comandante Orlando Temes de Oliveira, foi saudar ao Porto, no passado 4 de Março. Aí, ouvimos as comunicações muito interessantes da Prof.ª Teresa Coelho (sobre o tempo do nascimento do Infante), do Comandante Rodrigues Pereira (sobre as proezas náuticas de D. Henrique, fazendo descobrir as ilhas atlânticas e avançar pela costa africana já bem para Sul do Cabo Bojador) e do Prof. António Costa Silva (projectando a inspiração do Infante sobre o futuro de Portugal). Aqui queremos voltar todos os anos, no dia e à cidade em que nasceu o Infante, para o lembrarmos, olhando como ele olhava: para o Mar para o Futuro.

De um facto insofismável, podemos ter a certeza: a inspiração no Infante D. Henrique será sempre vento favorável para Portugal e para os portugueses. Assim tenhamos rumo, para podermos aproveitar o vento. Com a visão, a ousadia e a competência de que nos legou o exemplo – o tal “talent de bien faire” que foi o seu lema, bem guardado pela nossa Marinha.

Autor: Dr. José Duarte de Almeida Ribeiro e Castro

Advogado, Confrade da Confraria Marítima-Liga Naval Portuguesa

 


Leia também:

A Força que vem do Mar

A Força que vem do Mar 31/03/2022 Em 2021 completaram-se 400 anos sobre a criação de uma Força Militar, destinada LER MAIS

Barra de Aveiro (imagem Joao Goncalves)
Há Mar Portugal

Há Mar Portugal 08/03/2022 O tema do Mar é sempre apaixonante. Os Descobrimentos, datam de 1500. Há que honrar o LER MAIS

Terminal comercial e barcos de pesca local, convivem na Trafaria, perto da foz do Tejo (imagem João Gonçalves)
Portugal, a Economia, o Mar e o Futuro

Portugal, a Economia, o Mar e o Futuro 01/12/2021 A realidade atual da Economia Portuguesa Nas últimas décadas e, sobretudo, LER MAIS

Para uma história cultural das pescas

Para uma história cultural das pescas 01/01/2022 Os geógrafos que mais se interessaram pela vida marítima e pelas formas de LER MAIS

A Pirataria Marítima continua a flagelar a região do Golfo da Guiné

A Pirataria Marítima continua a flagelar a região do Golfo da Guiné 01/12/2021 A pirataria marítima continua a assolar a LER MAIS

A Coleção Seixas do Museu de Marinha

A Coleção Seixas do Museu de Marinha Certamente quase todos os membros da Confraria Marítima de Portugal – Liga Naval LER MAIS

As superestruturas do LAURA S durante uma escala no porto da Graciosa em julho de 2017 (imagem MM Betencourt)
A Marinha Mercante Nacional

A Marinha Mercante Nacional 30-06-2021 Este singelo “depoimento” é, naturalmente, subjectivo, mas traduz o sentimento fruto de muitos anos de LER MAIS

“Portugal é um País de Marinheiros”

“Portugal é um País de Marinheiros” 30/05/2021 “Portugal é um País de Marinheiros” é uma afirmação muito usada e ouvida LER MAIS

O hidroptero de Enrico Forlanini, no lago Maggiore c. dezembro de 1910 (imagem colorida por AI hotpot.ai)
A «invenção da roda» no Mar

A «invenção da roda» no Mar Numa luta para minimizar o problema do atrito entre superfícies, como por exemplo entre LER MAIS

Cold ironing no porto de San Diego (imagem Cody Hooven)
Da importância do COLD IRONING na poluição marítima

Da importância do COLD IRONING na poluição marítima 30-07-2021 As emissões poluentes dos grandes navios e a importância do ”Cold LER MAIS

De Mar a Pior

De Mar a Pior 31/10/2021 Não deixa de ser frustrante perceber e constatar que, quando finalmente se antevia um rumo, LER MAIS

Um país marítimo que não aproveita o mar

Um país marítimo que não aproveita o mar 30/04/2021 O mar é vital para os seres humanos e para o LER MAIS