Recordando o passeio no Barco Évora no dia 10 de junho de 2019

Conforme em tempo amplamente divulgado pela Direcção, a Confraria Marítima de Portugal realizou no passado dia 10 de Junho, Dia de Portugal, um simpático cruzeiro no Tejo, a bordo do n/m ÉVORA.

“O Futuro de Portugal está no Mar” – 120 anos da Liga Naval Portuguesa

Na viragem do séc. XIX para o séc. XX viviam-se os anos da “paz armada” que conduziu a uma guerra LER ARTIGO

A Confraria Marítima de Portugal tem nova sede na ex-Fábrica Nacional de Cordoaria

Na sequência da decisão tomada na última Assembleia Geral, a direção Confraria Marítima de Portugal (CMP) firmou um protocolo de LER ARTIGO

Cristóvão Santos recebe o prémio Confraria Marítima 2020
Cristóvão Santos na ponte do WORLD EXPLORER, durante uma escala no porto de Catania, ilha Sicília

Cristóvão Santos recebe o prémio Confraria Marítima 2020 Na ENIDH, a Confraria Marítima premiou o melhor aluno do curso de LER ARTIGO

Contornar o Cabo das Tormentas
O Cabo da Boa Esperança ou das Tormentas (Imagen de Robert Pastryk em Pixabay)

Contornar o Cabo das Tormentas Neste século XXI, nunca como agora, a economia portuguesa, em geral, e a Economia do LER ARTIGO

Comandante Cristina Alves distinguida pela ALUMNI da Escola Náutica
Cristina Alves recebendo o prémio das mãos do Ministro do Mar

Comandante Cristina Alves distinguida pela ALUMNI da Escola Náutica A nossa confreira Cristina Alves foi distinguida com o prémio CARREIRA LER ARTIGO

O Mar
MSC MAGNIFICA no terminal de passageiros do Porto de Leixões (imagem APDL)

O Mar O mar como opção estratégica. Como opção estratégica porque o mar foi o nosso passado, mas é também LER ARTIGO

57º Encontro da Confraria Marítima de Portugal

No século XVIII, a Ribeira das Naus passou a ser designada “Arsenal Real da Marinha” quando as suas instalações foram construídas no mesmo local, no âmbito da reconstrução da Baixa de Lisboa, depois do terramoto de 1755. Nessa época, os Carpinteiros de Machado (classe profissional ligada à construção naval), devotos de São Roque, viram edificada a sua igreja, a Capela de São Roque, uma pequena pérola barroca que, ainda hoje, muito poucos conhecem. O primeiro lugar de culto a ser concluído na reconstrução de Lisboa. Em 1910, passou a designar-se “Arsenal da Marinha de Lisboa”. O Arsenal da Marinha de Lisboa foi desactivado em 1939, com a inauguração do Arsenal do Alfeite na margem Sul do Rio Tejo. A Ribeira das Naus, com as docas Seca e da Caldeirinha, constituíu o conjunto dos maiores estaleiros do Império Oceânico Português, servindo de modelo aos restantes que se foram construindo além-mar, nomeadamente às ribeiras de Goa e de Cochim. O seu antigo local – cujo acesso ao rio Tejo foi cortado com a construção da Avenida Ribeira das Naus – faz hoje parte das Instalações da Administração Central da Marinha.   Uma deliciosa visita guiada pelo Comandante José Rocha e Abreu.   Traje: passeio (gravata opcional) Valor da participação: 15 € Número máximo de inscritos: 45 Inscrições: mmarques@lbranco.pt data limite das inscrições: 30 de agosto