Um país marítimo que não aproveita o mar

Um país marítimo que não aproveita o mar 30/04/2021 O mar é vital para os seres humanos e para o planeta e um espaço de soberania para os países marítimos, mas desde há muito que deixou de ser um desígnio nacional. Portugal dispõe de relevante posição geopolítica e geoestratégica. A zona económica exclusiva portuguesa (ZEE) ocupa a área de 1.727.408 km2, a quinta maior entre os países europeus e a vigésima a nível mundial. Com o pedido de extensão da sua jurisdição, a plataforma continental alarga-se a um total de mais de 3.877.408 km2, terceira posição como país europeu e décima mundial. Não se trata de ser maior ou menor, mas reconhecer o seu enorme potencial económico. A Estratégia Nacional para o Mar 2030 (ENM), documento técnico em consulta pública, metodologicamente bem elaborado, distancia-se da realidade económica nacional. A sua estrutura e organização prioriza premissas reversas, centradas no emprego, segurança, saúde e bem-estar, literacia, soberania, questões de descarbonização e alterações climáticas. São, naturalmente, interessantes, a par das preocupações administrativas e burocráticas do Estado, para uma resposta política e social. No essencial, condiciona a economia empresarial a objectivos políticos e à polis, fortemente limitada, daí as dificuldades em desenvolver negócios estruturantes e promover a formação de clusters de actividade. Quem se aventura nos negócios enfrenta a adversidade, não apenas do mercado, mas, mais pesado ainda e prévio, a da sobrecarga administrativa e burocrática do Estado. Correntemente, os governantes estabelecem limitações para tudo, não asseguram estabilidade e continuidade, como se a vida fosse predeterminada e o sucesso garantido aos empresários. O país necessita de compreender o que representa o MAR em termos económicos, como ponto de partida para se elaborar a estratégia de desenvolvimento económico e a estratégia para o MAR. Sem economia não há política e vice-versa, nem políticas que valham, porque … Continue reading “Um país marítimo que não aproveita o mar”

Recordando o 10º Aniversário da Confraria Marítima

Recordando o 10º Aniversário da Confraria Marítima 20/04/2021 O tempo voa … e a “Confraria Marítima de Portugal” celebrou o LER ARTIGO

O Mar no Plano de Recuperação e Resiliência
O Mar no Plano de Recuperação e Resiliência

O Mar no Plano de Recuperação e Resiliência 31/03/2021 Eu vou tomar como adquirido que o leitor está convencido que LER ARTIGO

Portugal e o Mar
Barra do Porto da Ilha de Porto Santo (imagem João Gonçalves)

Portugal e o Mar 28/02/2021 Metade da fronteira portuguesa é marítima, num contexto em que o Mar ocupa cerca de LER ARTIGO

Aniversário dos 450 anos da Batalha de Lepanto evocado pela Confradía Europea de la Vela
Pormenor do quadro A batalha de Lepanto, autor desconhecido 159 (National Maritime Museum, Greenwich)

Aniversário dos 450 anos da Batalha de Lepanto evocado pela Confradía Europea de la Vela 28/02/2021 A conferência online, reuniu LER ARTIGO

Cadetes do Mar de Portugal

Cadetes do Mar de Portugal 31/01/2021 Todos estamos a viver em Portugal um momento decisivo da nossa História de quase LER ARTIGO

Rogério Silva Duarte Geral d’Oliveira (1921-2021)
CAlm ECN Rogério D'Oliveira (óleo s tela de Mário Alvarenga Rua)

Rogério Silva Duarte Geral d’Oliveira (1921-2021) 08/01/2021 É com profundo pesar que se dá a conhecer o falecimento ocorrido em LER ARTIGO

Dia Nacional do Mar

Neste dia decorrem várias iniciativas em Portugal tendo em vista mostrar a importância do mar para a economia e para o desenvolvimento nacional. A importância do mar O mar assume uma importância estratégica para Portugal, sendo um setor vital para a economia portuguesa e para o produto interno bruto (PIB). De acordo com dados divulgados em 2016, o mar português dá trabalho a 105 mil pessoas e representa uma riqueza anual de 8 mil milhões de euros. Origem da data: A celebração do Dia Nacional do Mar teve origem na “Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar”, que entrou em vigor a 16 de novembro de 1994. Portugal ratificou o documento em 1997. Esta convenção é muito importante, pois é a partir dela que são estabelecidos, entre outros, os limites marítimos inerentes à Zona Económica Exclusiva e à Plataforma Continental. Portugal é um país fortemente ligado ao mar, ficando marcado para a posterioridade como o país dos Descobrimentos marítimos. Neste dia pode visitar os Faróis, Belém e o Museu da Marinha, por exemplo, onde se realizam iniciativas especiais ligadas à data.